Yoga Malandro: História, Política, Sociologia e Religião

  • 33 Alunos matriculados
  • 20 Horas de duração
  • 3 Aulas
  • 7 Módulos
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos

Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Ciência da Religião pela PUC-SP. Investiga há mais de uma década o Yoga/Meditação e seu diálogo com a sociedade latino-americana.
Prof. Roberto Simões

Fruto dos meus 10 anos de investigação do Yoga na América Latina e, em específico, ao microuniverso religioso brasileiro. Esse curso desvela as singularidades do Yoga/Meditação entre os brasileiros. Estudar o Yoga/Meditação no país é entender a sua cultura, política, espiritualidade e suas nuances econômicas também.

Se permita aventurar comigo na "malandragem" do Yoga/Meditação dos brasileiros.

Nenhuma descrição cadastrada.
Prof. Roberto Simões
"Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Ciência da Religião pela PUC-SP. Investiga há mais de uma década o Yoga/Meditação e seu diálogo com a sociedade latino-americana."

       

Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Ciência da Religião pela PUC-SP, possui a sua graduação em Ed.Física e especialização em Psicologia, Fisiologia e Yoga. Após alguns anos estudando e praticando ioga lançou um livro em co-autoria sobre os aspectos neurofisiológicos e espirituais que envolvem o ioga e a sua mais conhecida prática, a meditação.

Após alguns anos trabalhando como voluntário em grupo de estudos de psicobiologia da UNIFESP enveredou para as humanas e a filosofia, investigando por seis anos a religiosidade do ioga brasileiro. No seu mestrado pesquisou a íntima relação que o ioga contemporâneo vem estabelecendo com a ciência biomédica. Essa aproximação - ioga e biomedicina científica - transforma cada vez mais a prática espiritual ioguica mais como técnica terapêutica laica. O seu foco, no entanto, estava nas ressignificações que esse contato surtiu na doutrina do ioga contemporâneo e, em específico, no surgir das escrituras modernas.

doutorado veio na sequencia, a partir de um problema surgido ao final da sua dissertação. Se a doutrina moderna do ioga havia de ressignificado, qual o impacto disso na proposta antiga de libertação humana (kaivalya)? Desse modo, sai a campo investigando 10 iogues renomados no Brasil e mais 3 cientistas da área biomédica que investigam o ioga como técnica terapêutica.

Entretanto, o grande mote da tese foi evidenciar que o flerte do ioga com a ciência moderna tem reformado os seus preceitos espirituais, como dos klesas em estresse, samadhi em relaxamento-espiritualizado e kaivalya em homestase-eterna.

A repercussão dessa transformação em processo tem conduzido ao ioga contemporâneo desvincular-se do Hinduísmo e da mística Nova Era; como resultado, os iogues mais tradicionalistas reclamam um "retorno à tradição". Seu projeto em andamento (S)sendo Yoga Latino-Americano dá continuidade a essa investigação, agora se preparando para seu pós-doutoramento.

Seu foco de investigação está no ioga contemporâneo com a sociedade latino-americana e suas interface como uma nova espiritualidade autônoma em processo.

Mas o que ele gosta mesmo é estar com a sua família na ilha de Floripa ou viajando com ela, e dialogando com os seus alunos pelas cidades brasileiras e latino-americanas.


Conteúdo Programático

1.1. Período Primitivo ou "Pré-Clássico" do Yoga
1.2. Período Antigo do Yoga
1.2.1. Apresentação da proposta de salvação do Yoga Antigo
1.3. Período Medieval ou "Bárbaro" do Yoga
1.3.1. O início da corporificação do Yoga e a sua medicalização a
partir do Ayurveda
1.4. O surgimento do Yoga Moderno
1.4.1. A Renascença Indiana
1.4.2. Yoga Postural Moderno
  • 1. Aula 1: Introdução
  • 2. Aula 2: Contato do Yoga no Ocidente
2.1. Os primeiros yogues da geração moderna
2.1.1. : A ressignificação das escrituras do Yoga Postural Moderno à
luz da Ciência Biomédica e sua Fisiologia
2.1.2. A Ciência legitimando o discurso religioso do Yoga Postural
Moderno
2.2. Teoria dos Klesas corporificado: Sinônimo de Estresse e Emoções
2.3. Klesa e Estresse em dialética
2.3.1. Estresse Biológico
2.3.2. Relaxamento
2.3.3. Prana é real
2.4. Profanação do Yoga?
3.1. As origens do Yoga Brasileiro/Malandro a partir da história do Yoga na América Latina
3.1.1. Fase Místico-Esotérica
3.1.2. Fase Yoga Latino-Americano visitando a Índia
3.1.3. Fase do Yoga Indiano conhecendo os Yogues latino-
americanos
3.1.4. Fase da busca identitária e singular do Yoga Latino-
Americano
3.1.5. Fase de tensão entre Yogue "Híbridos" e os "Tradicionalistas"
no Brasil
3.2. Yoga para "Nervosos" do Prof.Hermógenes versus Yoga para "Normais" do Mestre DeRose: Yogaterapeutas Híbridos e os Yogues Tradicionalistas
4.1. Considerações Preliminares
4.2. Entrevistados
4.2.1. Ravi
4.2.2. Centurion
4.2.3. Vishnu
4.2.4. Ganesh
4.2.5. Bento
4.2.6. Shanti
4.2.7. Hermes
4.2.8. Rudá
4.2.9. Andurá
4.2.10. Osiris
4.2.11. William
4.3. Questões de aproximação
4.3.1. Prática e Estado de Yoga ressignificados com vistas a
deslegitimar cientistas
4.3.2. Ciência e Yoga na construção de uma nova espiritualidade
terapêutica em andamento
4.3.3. Fase de transição na comunidade Yoguica brasileira em
busca de sua identidade religiosa
4.3.4. A crença na Ordem Cósmica e Prana estabelecendo dialética
entre o estresse e o relaxamento espiritualizados no convívio social
4.3.5. A busca pela Homeostase Eterna por meio do Relaxamento
Espiritualizado
5.1. Meu caminho até aqui
5.2. O Yoga moderno e seus rituais corporais de cura
5.2.2. Imbricação dos rituais e ética ioguicas modernas com a
Ciência
5.2.3. O sentido moderno dos rituais yoguicos
5.2.4. O Yoga moderno além da terapia biomédica convencional
5.3. A religiosidade terapêutica do Yoga Postural Moderno
5.3.1. Alienação e Alteridades espiritual do Yoga moderno
5.4. Kaivalya e Homeostase Divina
5.5. O mal-estar, o sofrimento e o sintoma no Yoga Postural Moderno
5.5.1. Corpo relaxado como reflexo da Alma Plena
5.6. O sentido espiritual do Yoga Postural Moderno
5.6.1. O Yoga e seus novos bens de libertação
5.7. Um Yoga Malandro/Brasileiro
5.8. Kaivalya à Brasileira
5.8.1. Cada um sabe onde o calo aperta!
5.8.2. Shiva e Zé Pelintra em harmonia
5.8.3. A Ordem Cósmica aqui é outra
Voltar ao topo