Ética, Yoga, Meditação e os brasileiros



Ética, Yoga, Meditação e os brasileiros

  • 38 Alunos matriculados
  • 20 Horas de duração
  • 1 Aulas
  • 1 Módulos
ASSINE JÁ

Obtenha acesso a este e outros cursos

Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Ciência da Religião pela PUC-SP. Investiga há mais de uma década o Yoga/Meditação e seu diálogo com a sociedade latino-americana.
Prof. Roberto Simões

Esse curso nasce depois de mais de uma década lecionando em pós-graduações, palestras e congressos que fui convidado por universidades e cursos de formação de ioga em diversas capitais brasileiras sobre ioga, fisiologia e relação corpo e mente. Esses anos de docência aonde transitei entre  a filosofia ocidental, a fisiologia biomédica e as escrituras espirituais do oriente, me levaram naturalmente a questionar o funcionamento do cérebro e do comportamento humano. O ioga, como qualquer outro "ordenador de realidades" preconiza a sua melhor forma de viver a vida vivida. 

É abundante os livros que versam, nesta última década, sobre o cérebro divino, genes de Deus, áreas neuronais sagradas, todos buscando uma explicação física para a presença do Absoluto. No ioga, por exemplo, o conceito de maya (ilusão) ou avidya (ignorância) permeiam as suas escrituras, aonde as práticas espirituais visam dissolver o véu de maya e descortinar a Realidade do Absoluto.

Seja dentro do corpo, exterior a ele ou o próprio, a presença de Deus, deuses ou similares (como o nirvana ou kaivalya) denota que algo perene comanda ou determina a existência humana entre as crenças religiosas/espirituais. O fim do sofrimento humano, dessa forma, exige viver em comunhão com Ele, o Absoluto, algo perene que já É desde sempre ou, como disse, de uma outra realidade que não essa, ordinária. É muito comum a ideia de que devemos alcançar um outro estado, o estado do ioga por exemplo. 

Exploraremos essas ideias, mas principalmente, a inquietante concepção de que possamos viver no mais completo caos, aonde a vida pode não possuir o menor sentido cósmico. Será? O curso, portanto, não possui nada de auto-ajuda ou 7, 8, 9 ou 10 passos para uma vida melhor, plena ou hérculea.

Convidamos você a permitir-se vivenciar o que seria sustentar a sua existência sob o seu próprio corpo finito, aonde para ser homem e/ou mulher nesta realidade devemos começar a assumir plenamente as nossas próprias responsabilidades e imperfeições, sem certo ou errado, mal ou bem, apenas Ser.

 

 

 

Conteúdo Programático

 

- Dialogar sobre as diferenças entre Filosofia, Ciência, Artes, Senso-Comum, Mito e Religião/Espiritualidade;

- Como e porquê os cientistas pensam assim;

- Paradigmas e Perspectivas de Realidade/Mundo/Viver;

- O que é a mente e suas possíveis abordagens;

- O que é estresse, homeostase e como eles podem afetar nossos pensamentos;

- Sensação e Percepção são diferentes? 

- Aspectos históricos relacionados so problema corpo e mente;

- Introdução a Psicofisiologia e ao Sistema Nervoso;

- Comportamento, relaxamento e imunologia;

- Respostas da Psicofisiologia e da Sociologia para a construção da Realidade (Genética x Cultura);

- Estados Alternativos de Consciência;

- Como pensar a ética ioguica com relação a finitude da vida/corpo e construir autenticidade do homem e mulher que somos: um convite ao abismo.


A todos que desejam obter um conhecimento adequado e pensar junto sem medo das ambivalências inerentes a própria vida.

Prof. Roberto Simões
"Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Ciência da Religião pela PUC-SP. Investiga há mais de uma década o Yoga/Meditação e seu diálogo com a sociedade latino-americana."

       

Mestre, Doutor e Pós-Doutor em Ciência da Religião pela PUC-SP, possui a sua graduação em Ed.Física e especialização em Psicologia, Fisiologia e Yoga. Após alguns anos estudando e praticando ioga lançou um livro em co-autoria sobre os aspectos neurofisiológicos e espirituais que envolvem o ioga e a sua mais conhecida prática, a meditação.

Após alguns anos trabalhando como voluntário em grupo de estudos de psicobiologia da UNIFESP enveredou para as humanas e a filosofia, investigando por seis anos a religiosidade do ioga brasileiro. No seu mestrado pesquisou a íntima relação que o ioga contemporâneo vem estabelecendo com a ciência biomédica. Essa aproximação - ioga e biomedicina científica - transforma cada vez mais a prática espiritual ioguica mais como técnica terapêutica laica. O seu foco, no entanto, estava nas ressignificações que esse contato surtiu na doutrina do ioga contemporâneo e, em específico, no surgir das escrituras modernas.

doutorado veio na sequencia, a partir de um problema surgido ao final da sua dissertação. Se a doutrina moderna do ioga havia de ressignificado, qual o impacto disso na proposta antiga de libertação humana (kaivalya)? Desse modo, sai a campo investigando 10 iogues renomados no Brasil e mais 3 cientistas da área biomédica que investigam o ioga como técnica terapêutica.

Entretanto, o grande mote da tese foi evidenciar que o flerte do ioga com a ciência moderna tem reformado os seus preceitos espirituais, como dos klesas em estresse, samadhi em relaxamento-espiritualizado e kaivalya em homestase-eterna.

A repercussão dessa transformação em processo tem conduzido ao ioga contemporâneo desvincular-se do Hinduísmo e da mística Nova Era; como resultado, os iogues mais tradicionalistas reclamam um "retorno à tradição". Seu projeto em andamento (S)sendo Yoga Latino-Americano dá continuidade a essa investigação, agora se preparando para seu pós-doutoramento.

Seu foco de investigação está no ioga contemporâneo com a sociedade latino-americana e suas interface como uma nova espiritualidade autônoma em processo.

Mas o que ele gosta mesmo é estar com a sua família na ilha de Floripa ou viajando com ela, e dialogando com os seus alunos pelas cidades brasileiras e latino-americanas.


Conteúdo Programático

Voltar ao topo